top of page

Mosteiro Zen Morro da Vargem | Espírito Santo


Fiz um retiro de sete dias em um mosteiro budista chamado Mosteiro Zen Morro Da Vargem, que fica em Ibiraçu, interior do Espirito Santo. Eu e minha mãe tínhamos muita vontade de ir para um mosteiro, mas não tínhamos ideia de um aqui no Brasil, até que uma amiga próxima nos falou sobre os três dias que passou lá. 


Eles teriam um sesshin de sete dias no início do mês de Julho, um sesshin muito especial. Primeiro, porque normalmente eles duram no máximo de três dias, mas como conseguiram reunir noventa pessoas (o mínimo era trinta), foi possível faze-lo. Outro motivo para ser especial, é porque contou com a presença de um grande patriarca do Zen budismo, Eido Shimano Roshi, que foi quem levou o Zen do Japão para Nova Iorque, nos Anos 60.


Quase não deu para irmos. Primeiro porque tinham centenas de pessoas querendo participar. Segundo porque eu tenho dezesseis anos, e o Daiju (monge que comanda o Mosteiro) ficou receoso se eu não ficaria entediada, ainda mais por haver meditações de quarenta minutos. Mas acabou que deu tudo certo, ele decidiu nos dar as vagas por sermos do Norte - o acesso é mais difícil do que para alguém de SP ou RJ, por exemplo. Fomos duas de apenas cinco pessoas indo pela primeira vez.


O Mosteiro

O Mosteiro Zen Morro Da Vargem foi o primeiro mosteiro budista na América Latina, construído em 1974 em plena Mata Atlântica em processo de devastação e desequilíbrio ambiental. Inicialmente funcionava em casebres de madeira e telhado de palha e palmeira, a subida era por trilhas íngremes e era a pé. Lembro que o Daiju contava que ele passou noites lá no alto, sozinho e no escuro, em meio a chuva, sequer imaginando o que se tornaria aquilo.


Milhares de árvores foram plantadas para recuperação da Mata Atlântica, e hoje o mosteiro possui diversos projetos. Também recebe visitas aos domingos (é gratuito!), então se você for ou estiver no Espirito Santo, é só ver mais informações no site clique aqui.


Rotina

Vou falar sobre a rotina me baseando nos meus horários lá no Mosteiro, para que vocês possam saber como é a rotina em um. Como vocês podem perceber, o dia começava beeeeem cedo.


4:00am - Nesse horário, passa alguém com um sino muito irritante para acordar todos. Temos pouco menos que quinze minutos para acordar, escovar os dentes, ir ao banheiro e trocar de roupa. Todos acordamos em silêncio, tentando não se comunicar um com o outro, e seguimos em silêncio para o templo de meditação. O objetivo é de não tumultuar a mente e, assim, ter um Zazen tranquilo.

4:15am - No templo de meditação, todos procuramos nossos lugares e entramos na posição em silêncio. Um sino toca avisando o inicio do Zazen e outro toca, quarenta minutos depois, avisando que acabou. Junto com o sino final, também tocam os tambores e todos fazemos uma oração em voz alta. Saímos do nosso lugar, ajeitamos nossa almofada e vamos (ainda em silêncio) para o templo de oração.


Aproveito para ressaltar que Zazen não é uma meditação, Zazen é não-ação. O objetivo não é esvaziar a mente, e sim praticar a concentração, e isso se da ao manter a postura correta, sem se mover, sem agir.


5:00am - No templo de oração, todos recebemos um livro e procuramos um lugar para sentar: esperamos em pé que o monge que dará a cerimônia entre e vá até o altar, fazemos uma reverência e todos nos sentamos. Neste momento, fazemos as orações. Elas são duas, em japonês, e por isso precisamos do livrinho. Quando acabamos, voltamos para o templo de meditação.


5:30am - Voltamos para nossos lugares e iniciamos nosso Zazen por mais quarenta minutos. A partir do segundo não há mais tambores ou orações, apenas os sinos que marcam o inicio e o fim.


6:10am - Assim que saímos do Zazen seguimos para o templo de alimentação, onde ficamos em fila esperando que todos cheguem e assim fazemos duas orações pequenas, seguidas de um "bom dia" em alto e bom tom, significando que a partir daquele momento está permitido conversar.


6:20am - No café da manhã comíamos okayo, que é papa de arroz com milho. Fazemos uma pequena oração antes de começar: "quando comemos e bebemos rezamos juntos com todos os seres, comer é a alegria do Zen e ficamos cheios da felicidade do Dharma" e comemos. Ao terminar, fazemos outra oração: "comida pura já comemos e rezamos juntos com todos os seres, para ficarmos cheios de virtudes e realizarmos os dez tipo de forças" e abre-se para o café informal. Podemos repetir a comida (e comer outras coisas, como pão integral, geleia e outras coisas) ou aproveitar o tempo que resta pra dar uma descansada e escovar os dentes. Isso se repete em toda refeição.

7:20am - Atividades são divididas para todos os participantes, desde lavar o banheiro até ajudar na cozinha. Eu fiquei na lavagem do ofurô (onde se toma banho) com mais cinco pessoas. No horário previsto todos tem que estar nos seus lugares de trabalho para começar e 8h-8:30 já estava tudo pronto. E ai o <( ̄︶ ̄)> intervalo <( ̄︶ ̄)>. Era nesse momento em que eu parava pra pensar em quantas coisas eu já tinha feito e não era nem dez da manhã.


10:00am - Mais um Zazen. Paralelamente ocorre o Dokusan, o significado é "ficar sozinho com alguém respeitado", já que o mestre Eido Roshi participava.


10:30am - Kin Hin é um tipo de meditação em pé, se faz em círculos dando passos pequenos.


10:40am - Mais um Zazen. Zazen-Kin Hin-Zazen é meio que emendado, já que fazemos tudo no mesmo lugar.


11:20am - A hora do almoço é definitivamente a mais aguardada. É a única das três refeições em que os pratos variam, e é um melhor que o outro. Sério, sem palavras para a comida do mosteiro, é incrível. O mesmo procedimento do café é repetido. E ai temos intervalo.


Nesses intervalos algumas pessoas iam cochilar, outras passear pelo mosteiro, trilhas ou até a estação cultural. Eu passeava no inicio, mas depois comecei a dormir mesmo. 


1:30pm - Zazen. Sim, é muito Zazen. Mais especificamente, sete por dia. 

2:00pm - Teisho é uma palestra com o Roshi, em que sentamos no templo de oração e o ouvimos falar sobre a história do Rinzai Zen (o Zen budismo tem duas escolas, a Rinzai e a Soto, o mosteiro que fui é da escola Soto, o Roshi é da Rinzai, e esse foi um encontro histórico entre as duas escolas que não acontecia há mais de 30 anos), ou sobre qualquer outra coisa que ele queira falar. 


3:30pm(☆ω☆) comer(☆ω☆) normalmente os lanches são biscoito com suco, algumas vezes foram bolo e outras mingau. 

4:00pm - Banho. Os templos de banho se dividem em ala masculina e ala feminina, e possuem um ofurô com três chuveiros e quatro boxes individuais com chuveiro. O banho começa primeiro para os ordenados, quando eles acabam abre-se os banhos para os leigos, e todos esperamos sentados em fila.


6:00pm - Zazen. Sei que pode parecer cansativo tanto Zazen por dia, justamente por isso o Daiju ficou preocupado com a minha idade. Havia momentos em que eu ia com zero vontade e havia outros em que eu ia tranquila e fazia um Zazen maravilhoso. 

6:40pm -  Todas as noites, a janta era sopa (das mais variadas). Somente no último dia que foi pizza (foto). Repete-se todo o processo do café. No final do jantar formal, abre-se o informal e ai podemos comer novamente e temos um intervalo livre. 


8:00pm - O último Zazen do dia, e paralelamente o Dokusan. 


8:00-9:30pm - Esse intervalo de tempo serve para quem quer ir dormir mais cedo, ou quem quer ficar conversando, ouvir histórias (nesse retiro tinha um contador de histórias profissional, o Sérgio, que só contava histórias incríveis).


9:30pm - Nesse horário todos já devem estar em seus quartos e prontos para dormir, depois dele não se pode mais ficar de luzes acesas.


Eu adorava a rotina do Mosteiro e fazer tudo o que era proposto, até mesmo sete Zazen por dia. Me sentia extremamente em paz. Inclusive, saudades. 


Esse post foi publicado originalmente em 3 de agosto de 2015.

Comments


bottom of page